terça-feira, 8 de julho de 2014

A Cura de Velhas Feridas e Oferecendo Apoio - Mais Duas Jornadas para a Auto-Estima


O resgate da auto-estima é um caminho de muitos passos. Embora comece e acabe em você, não se trata de uma viagem solitária, mas de um trajeto que se estende para o outro, na medida que você se aproxima de si mesmo(a).

Como já vimos em outro texto, auto-aceitação e tolerância são o início dessa jornada para casa. Agora, vamos seguir em frente, abordando dois outros passos: a cura de velhas feridas e oferecendo apoio.

Curar velhas feridas é uma jornada para a auto-estima porque, ao longo de sua vida, você sofreu alguns traumas e vivenciou eventos que impediram o desenvolvimento natural de sua auto-estima. Muitas partes de você foram abandonadas porque você não se sentiu bem com elas. Muitas dores foram sentidas e sufocadas. Tudo pode ter começado durante a sua gestação, no seu nascimento, quando as manobras do parto magoaram você, continuando com a desaprovação parental, se intensificando com a chegada de um irmãozinho, quando você era o centro das atenções, se agravando com a perda de um ente querido ou com a separação de seus pais.

Esses episódios que aconteceram desde quando você estava no útero, durante a sua infância e adolescência, atingiram sua alma e congelaram, no tempo, esses momentos dolorosos. A partir daí, seu corpo continuou crescendo, mas emocionalmente você ficou lá: uma criança ferida. Fragmentou-se.

É certo, também, que você viveu muitas alegrias e que muitos momentos felizes fortaleceram em você o dom de viver. Entretanto, para você se tornar inteiro(a) e ser capaz de, cada vez mais, atrair alegria, felicidade e sucesso para sua vida, é necessário resgatar estas partes abandonadas e esquecidas de seu ser, que estão enterradas em seu subconsciente e na memória celular de seu corpo.

Todos nós temos um dom natural para a cura. Curar a si mesmo(a) é uma tendência do seu corpo e de sua mente. Provavelmente, muitas vezes ao longo de sua vida, você se curou, sem se dar conta disso. Foram curas que aconteceram sem a sua participação consciente, mas autorizadas por aquela parte sua conectada com a alegria e o dom de viver. Contudo, algumas feridas e cicatrizes ainda permanecem com você. São estas que precisam ser olhadas e a boa notícia é que você pode fazê-lo de muitas maneiras. Procure a mais adequada para você. Lembre-se que todos precisam de apoio em seu caminho de cura. Quando você resolve apoiar-se, pedir apoio e se abrir para recebê-lo, você não só é capaz de segurar as mãos que se estendem para você, como também estender as suas para o outro, que está próximo de você. Esta é a outra face da moeda de quando você resolve curar as suas feridas e recuperar as partes perdidas de si mesmo(a).

Dar apoio é o processo de compartilhar o melhor de você, de saber que você é importante e que sua presença é o suficiente. Quando você compartilha o seu valor com o outro, você apóia verdadeiramente, porque é uma ação conectada com o amor e a compaixão. Compartilhar o seu valor com o outro só é possível quando você o reconhece em si mesmo(a). A demonstração deste reconhecimento, entre outras coisas, está na sua busca por um sentido mais saudável para a sua vida, no compromisso que você assume com a sua cura, no amor com que você resgata a si mesmo(a).

Com isso quero dizer que o verdadeiro apoio não está associado com alguma coisa que está fora de você, como a necessidade do outro, mas sim com o fato de você ter que compartilhar o que você tem, para seguir a sua jornada para o melhor de si mesmo(a). Aqui não existe sacrifício porque nada se perde, tudo se expande. Oferecer uma mão que ajuda fortalece quem dá e quem precisa de ajuda. E a cura acontece para ambos!

Texto baseado no Projeto Internacional de Auto-Estima, de Bob Mandel.
Vera Lucia Ferreira
 Meus amigos(as) desejo a todos um ótimo Dia.
Muita Paz para todos.
Força Sempre
Claudio Pacheco

Nenhum comentário:

Postar um comentário