sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

A ARTE DE VIVER

   
 "O homem nasce para atingir a vida, mas tudo depende dele. Ele pode perdê-la. Ele pode seguir respirando, ele pode seguir comendo, ele pode seguir envelhecendo, ele pode seguir se movendo em direção ao túmulo - mas isso não é vida. Isso é morte gradual, do berço ao túmulo, uma morte gradual com a duração de setenta anos. E porque milhões de pessoas ao redor de você estão morrendo essa morte lenta e gradual, você também começa a imitá-los.  As crianças aprendem tudo daqueles que estão em volta delas e nós estamos rodeados pelos mortos. Então temos que entender primeiro o que eu entendo por 'vida'. Ela não deve ser simplesmente envelhecer. Ela deve ser desenvolver-se. E isso são duas coisas diferentes. Envelhecer, qualquer animal é capaz. Desenvolver-se é prerrogativa dos seres humanos. Somente uns poucos reivindicam esse direito.
      Desenvolver-se significa mover-se a cada momento mais profundamente no princípio da vida; significa afastar-se da morte - não ir na direção da morte. Quanto mais profundo você vai para dentro da vida, mais entende a imortalidade dentro de você. Você está se afastando da morte: chega a um momento em que você pode ver que a morte não é nada, apenas um trocar de roupas ou trocar de casas, trocar de formas - nada morre, nada pode morrer. A morte é a maior ilusão que existe.
      Como desenvolver-se? Simplesmente observe uma árvore. Enquanto a árvore cresce, suas raízes crescem para baixo, tornam-se mais profundas. Existe um equilíbrio; quanto mais alto a árvore vai, mais fundo as raízes vão. Na vida, desenvolver-se significa crescer profundamente para dentro de si mesmo - que é onde suas raízes estão.
      Para mim o primeiro princípio da vida é meditação. Tudo o mais vem em segundo lugar. E a infância é o melhor momento. À medida que você envelhece, significa que você está chegando mais perto da morte, e se torna mais e mais difícil entrar em meditação. Meditação significa entrar na sua imortalidade, entrar na sua eternidade, entrar na sua divindade. E a criança é a pessoa mais qualificada porque ela ainda está sem a carga da educação, sem a carga de todo o tipo de lixo. Ela é inocente.  Mas infelizmente a sua inocência está sendo considerada como ignorância. Ignorância e inocência tem uma similaridade, mas elas não são a mesma coisa. Ignorância também é um estado de não conhecimento, tanto quanto a inocência é. Mas também existe uma grande diferença que passou despercebida por toda a humanidade até agora. A inocência não é instruída - mas também não é desejosa de ser instruída. Ela é totalmente contente, preenchida...
      O primeiro passo na arte de viver será criar uma linha de demarcação entre ignorância e inocência. Inocência tem que ser apoiada, protegida - porque a criança trouxe com ela o maior tesouro, o tesouro que os sábios encontram depois de esforços árduos. Os sábios têm dito que se tornaram crianças novamente, que eles renasceram...
      Sempre que você perceber que perdeu a oportunidade da vida, o primeiro princípio a ser trazido de volta é a inocência. Abandone o seu conhecimento, esqueça as suas escrituras, esqueça as suas religiões, suas teologias, suas filosofias. Nasça novamente, torne-se inocente - e a possibilidade está em suas mãos. Limpe a sua mente de todo conhecimento que não foi descoberto por você mesmo, de todo conhecimento que foi tomado emprestado dos outros, tudo o que veio pela tradição, convenção, tudo o que lhe foi dado pelos outros - pais, professores, universidades. Simplesmente desfaça-se disso. Novamente seja simples, mais uma vez seja uma criança. E esse milagre é possível pela meditação.
      Meditação é apenas um método cirúrgico não convencional que corta tudo aquilo que não é seu e só preserva aquilo que é o seu autêntico ser. Ela queima tudo o mais e o deixa nu, sozinho embaixo do sol, no vento. É como se você fosse o primeiro homem que tivesse descido na Terra - que nada sabe e que tem que descobrir tudo, que tem que ser um buscador, que tem que ir em peregrinação.
      O segundo princípio é a peregrinação. A vida deve ser uma busca - não um desejo, mas uma pesquisa: não uma ambição para tornar-se isso, para tornar-se aquilo, um presidente de um país, ou um primeiro-ministro, mas uma pesquisa para encontrar 'Quem sou eu?'. É muito estranho que as pessoas que não sabem quem elas são, estão tentando se tornar alguém. Elas nem mesmo sabem quem elas são neste momento! Elas não conhecem os seus seres - mas elas têm um objetivo de vir a ser. Vir a ser é a doença da alma. O ser é você e descobrir o seu ser é o começo da vida. Então cada momento é uma nova descoberta, cada momento traz uma alegria. Um novo mistério abre as suas portas, um novo amor começa a crescer em você, uma nova compaixão que você nunca sentiu antes, uma nova sensibilidade a respeito da beleza, a respeito da bondade.
      Você se torna tão sensível que até a menor folha de grama passa a ter uma importância imensa para você. Sua sensibilidade torna claro para você que essa pequena folha de grama é tão importante para a existência quanto a maior estrela; sem esse folha de grama, a existência seria menos do que é. E essa pequena folha de grama é única, ela é insubstituível, ela tem a sua própria individualidade.
      E essa sensibilidade criará novas amizades para você - amizades com árvores, com pássaros, com animais, com montanhas, com rios, com oceanos, com as estrelas. A vida se torna mais rica enquanto o amor cresce, enquanto a amizade cresce...
      Quando você se torna mais sensível, a vida se torna maior. Ela não é um pequeno poço, ela se torna oceânica. Ela não está confinada a você, sua esposa e seus filhos - ela não é confinada de jeito algum. Toda essa existência se torna a sua família e a não ser que toda essa existência seja a sua família, você não conheceu o que é a vida. - porque homem algum é uma ilha, nós estamos todos conectados. Nós somos um vasto continente, unidos de mil maneiras. E se o nosso coração não está cheio de amor pelo todo, na mesma proporção a nossa vida é diminuída.
      A meditação lhe traz sensibilidade, uma grande sensação de pertencer ao mundo. Este é o nosso mundo - as estrelas são nossas e nós não somos estrangeiros aqui. Nós pertencemos intrinsecamente à existência. Nós somos parte dela, nós somos o coração dela.
      Em segundo lugar, a meditação irá lhe trazer um grande silêncio - porque todo o lixo do conhecimento foi embora, pensamentos que são partes do conhecimento foram embora também... Um imenso silêncio e você é surpreendido - esse silêncio é a única música que existe. Toda música é um esforço para manifestar esse silêncio de algum modo.
      Os videntes do antigo oriente foram muito enfáticos a respeito da questão de que todas as grandes artes - música, poesia, dança, pintura, escultura - são todas nascidas da meditação. Elas são um esforço para, de algum modo, trazer o incompreensível para o mundo do conhecimento, para aqueles que não estão prontos para a peregrinação - presentes para aqueles que ainda não estão prontos para partirem na peregrinação. Talvez uma canção possa despertar um desejo de ir em busca da fonte, talvez uma estátua.
      Na próxima vez que em você entrar em um templo de Gautama Buda ou de Mahavira, sente-se silenciosamente e olhe a estátua... porque a estátua foi feita de tal forma, em tal proporção que se você olhá-la, você cairá em silêncio. É uma estátua de meditação; não é a respeito de Gautama Buda ou de Mahavira...
      Naquele estado oceânico, o corpo toma uma certa postura. Você próprio já observou isso, mas não estava alerta. Quando você está com raiva, você observou? seu corpo tomou uma certa postura. Na raiva você não pode manter as suas mãos abertas: na raiva, a mão se fecha. Na raiva você não pode sorrir - ou você pode? Com uma certa emoção, o corpo tem que seguir uma certa postura. Pequenas coisas estão profundamente relacionadas no interior...
      Uma certa ciência secreta foi usada por séculos, de modo que as gerações futuras pudessem entrar em contato com as experiências das gerações mais velhas - não através de livros, não através de palavras, mas através de algo que vai mais profundo - através do silêncio, através da meditação, através da paz. À medida que seu silêncio cresce, sua amizade cresce, seu amor cresce; sua vida se torna uma dança, momento a momento, uma alegria, uma celebração.
      Você já pensou sobre o porquê, em todo o mundo, em toda cultura, em toda sociedade, existem uns poucos dias no ano para a celebração? Esses poucos dias para a celebração são apenas uma compensação - porque essas sociedades tiraram toda a celebração de sua vida e se nada é dado para você em compensação, sua vida pode tornar-se um perigo para a cultura. Toda cultura criou alguma compensação e assim você não se sentirá completamente perdido na miséria, na tristeza... Mas essas compensações são falsas. Mas no seu mundo interior pode existir uma continuidade de luz, canções, alegria.
      Sempre lembre-se que a sociedade o compensa quando ela sente que a repressão pode explodir em uma situação perigosa se não for compensada. A sociedade encontra algum jeito de lhe permitir soltar a repressão. Mas isso não é a verdadeira celebração, e não pode ser verdadeira. A verdadeira celebração deveria vir de sua vida, na sua vida.
      E a celebração não pode estar de acordo com o calendário, que no primeiro dia de novembro você irá celebrar. Estranho, o ano todo você é miserável e no primeiro dia de novembro, de repente, você sai da miséria, dançando. Ou a miséria era falsa ou o primeiro de novembro é falso.; ambos não podem ser verdadeiros. E uma vez que o primeiro de novembro se vai, você está de volta em seu buraco negro, todo mundo em sua miséria, todo mundo em sua ansiedade.
      A vida deveria ser uma celebração contínua, um festival de luzes por todo o ano. Somente então você pode se desenvolver, você pode florir. Transforme pequenas coisas em celebração... Tudo o que você faz deveria expressar a si próprio; deveria ter a sua assinatura. Então a vida se torna uma celebração contínua.
      Inclusive se você adoece e você está deitado na cama, você fará daqueles momentos de repouso, momentos de beleza e alegria, momentos de relaxamento e descanso, momentos de meditação, momentos para ouvir música ou poesia. Não há necessidade de ficar triste porque você está doente. Você deveria estar feliz porque todo mundo está no escritório e você está na cama como um rei, relaxando - alguém está preparando chá para você, o samovar está cantando uma canção, um amigo se oferece para vir e tocar flauta para você. Essas coisas são mais importantes do que qualquer remédio. Quando você está doente, chame um médico. Mas, mais importante, chame aqueles que o amam porque não existe remédio mais importante que o amor. Chame aqueles que podem criar beleza, música, poesia à sua volta, porque não existe nada que cure como uma atmosfera de celebração.
      O medicamento é o mais baixo tipo de tratamento. Mas parece que nós esquecemos tudo, assim nós temos que depender dos medicamentos e ficar rabugentos e tristes - como se você estivesse perdendo uma grande alegria que havia quando você estava no escritório! No escritório você era miserável - simplesmente um dia de folga, mas você também se agarra à miséria, você não a deixa ir.
      Faça todas as coisas criativas, faça o melhor a partir do pior - isso é o que eu chamo de arte. E se um homem viveu toda a vida fazendo a todo momento uma beleza, um amor, um desfrute, naturalmente a sua morte será o supremo pico no empenho de toda a sua vida.
      Os últimos toques... sua morte não será feia como ordinariamente acontece todo dia com todo mundo. Se a morte é feia, isso significa que toda a sua vida foi um desperdício. A morte deveria ser uma aceitação pacífica, uma entrada amorosa no desconhecido, um alegre despedir-se dos velhos amigos, do velho mundo...
      Comece com a meditação e muitas coisas crescerão em você - silêncio, serenidade, êxtase, sensibilidade. E o que quer que venha com a meditação, tente trazer para a sua vida. Compartilhe isso, porque tudo o que é compartilhado cresce mais rápido. E quando você atingir o momento da morte, você saberá que não existe morte. Você pode dizer adeus, não existe nenhuma necessidade de lágrima de tristeza - talvez lágrimas de felicidade, mas não de tristeza."
                                                                                        OSHO, O Livro da Cura
Meus amigos(as) desejo a todos um ótimo Dia.
Muita Paz para todos.
Força Sempre
Claudio Pacheco

EGO, O FALSO CENTRO

"O primeiro ponto a ser compreendido é o ego.
      Uma criança nasce sem qualquer conhecimento, sem qualquer consciência de seu próprio eu. E quando uma criança nasce, a primeira coisa da qual ela se torna consciente não é ela mesma; a primeira coisa da qual ela se torna consciente é o outro. Isso é natural, porque os olhos se abrem para fora, as mãos tocam os outros, os ouvidos escutam os outros, a língua saboreia a comida e o nariz cheira o exterior. Todos esses sentidos abrem-se para fora. O nascimento é isso.
     Nascimento significa vir a esse mundo: o mundo exterior. Assim, quando uma criança nasce, ela nasce nesse mundo. Ela abre os olhos e vê os outros. O outro significa o tu.
      Ela primeiro se torna consciente da mãe. Então, pouco a pouco, ela se torna consciente de seu próprio corpo. Esse também é o 'outro', também pertence ao mundo. Ela está com fome e passa a sentir o corpo; quando sua necessidade é satisfeita, ela esquece o corpo. É dessa maneira que a criança cresce.
      Primeiro ela se torna consciente do você, do tu, do outro, e então, pouco a pouco, contrastando com você, com tu, ela se torna consciente de si mesma.
      Essa consciência é uma consciência refletida. Ela não está consciente de quem ela é. Ela está simplesmente consciente da mãe e do que ela pensa a seu respeito. Se a mãe sorri, se a mãe aprecia a criança, se diz 'você é bonita', se ela a abraça e a beija, a criança sente-se bem a respeito de si mesma. Assim, um ego começa a nascer.
      Através da apreciação, do amor, do cuidado, ela sente que é ela boa, ela sente que tem valor, ela sente que tem importância. Um centro está nascendo. Mas esse centro é um centro refletido. Ele não é o ser verdadeiro. A criança não sabe quem ela é; ela simplesmente sabe o que os outros pensa a seu respeito.
      E esse é o ego: o reflexo, aquilo que os outros pensam. Se ninguém pensa que ela tem alguma utilidade, se ninguém a aprecia, se ninguém lhe sorri, então, também, um ego nasce - um ego doente, triste, rejeitado, como uma ferida, sentindo-se inferior, sem valor. Isso também é ego. Isso também é um reflexo.
      Primeiro a mãe. A mãe, no início, significa o mundo. Depois os outros se juntarão à mãe, e o mundo irá crescendo. E quanto mais o mundo cresce, mais complexo o ego se torna, porque muitas opiniões dos outros são refletidas.
      O ego é um fenômeno cumulativo, um subproduto do viver com os outros. Se uma criança vive totalmente sozinha, ela nunca chegará a desenvolver um ego. Mas isso não vai ajudar. Ela permanecerá como um animal. Isso não significa que ela virá a conhecer o seu verdadeiro eu, não.
      O verdadeiro só pode ser conhecido através do falso, portanto, o ego é uma necessidade. Temos que passar por ele. Ele é uma disciplina. O verdadeiro só pode ser conhecido através da ilusão. Você não pode conhecer a verdade diretamente. Primeiro você tem que conhecer aquilo que não é verdadeiro. Primeiro você tem que encontrar o falso. Através desse encontro, você se torna capaz de conhecer a verdade. Se você conhece o falso como falso, a verdade nascerá em você.
      O ego é uma necessidade; é uma necessidade social, é um subproduto social. A sociedade significa tudo o que está ao seu redor, não você, mas tudo aquilo que o rodeia. Tudo, menos você, é a sociedade. E todos refletem. Você irá à escola e o professor refletirá quem você é. Você fará amizade com as outras crianças e elas refletirão quem você é. Pouco a pouco, todos estarão adicionando algo ao seu ego, e todos estarão tentando modificá-lo, de modo que você não se torne um problema para a sociedade.
      Eles não estão interessados em você. Eles estão interessados na sociedade. A sociedade está interessada nela mesma, e é assim que deveria ser. Eles não estão interessados no fato de que você deveria se tornar um conhecedor de si mesmo. Interessa-lhes que você se torne uma peça eficiente no mecanismo da sociedade. Você deveria ajustar-se ao padrão.
      Assim, estão interessados em dar-lhe um ego que se ajuste à sociedade. Ensinam-lhe a moralidade. Moralidade significa dar-lhe um ego que se ajuste à sociedade. Se você for imoral, você será sempre um desajustado em um lugar ou outro...
      Moralidade significa simplesmente que você deve se ajustar à sociedade. Se a sociedade estiver em guerra, a moralidade muda. Se a sociedade estiver em paz, existe uma moralidade diferente. A moralidade é uma política social. É diplomacia. E toda criança deve ser educada de tal forma que ela se ajuste à sociedade; e isso é tudo, porque a sociedade está interessada em membros eficientes. A sociedade não está interessada no fato de que você deveria chegar ao auto-conhecimento.
      A sociedade cria um ego porque o ego pode ser controlado e manipulado. O eu nunca pode ser controlado e manipulado. Nunca se ouviu dizer que a sociedade estivesse controlando o eu - não é possível.
      E a criança necessita de um centro; a criança está absolutamente inconsciente de seu próprio centro. A sociedade lhe dá um centro e a criança pouco a pouco fica convencida de que esse é o seu centro, o ego dado pela sociedade.
      Uma criança volta para casa. Se ela foi o primeiro lugar de sua sala, a família inteira fica feliz. Você a abraça e beija; você a coloca sobre os ombros e começa a dançar e diz 'que linda criança! você é um motivo de orgulho para nós.' Você está dando um ego para ela, um ego sutil. E se a criança chega em casa abatida, fracassada, foi um fiasco na sala - ela não passou de ano ou tirou o último lugar, então ninguém a aprecia e a criança se sente rejeitada. Ela tentará com mais afinco na próxima vez, porque o centro se sente abalado.
      O ego está sempre abalado, sempre à procura de alimento, de alguém que o aprecie. E é por isso que você está continuamente pedindo atenção.
      Você obtém dos outros a idéia de quem você é.  Não é uma experiência direta.
      É dos outros que você obtém a idéia de quem você é. Eles modelam o seu centro. Mas esse centro é falso, enquanto que o centro verdadeiro está dentro de você. O centro verdadeiro não é da conta de ninguém. Ninguém o modela. Você vem com ele. Você nasce com ele.
      Assim, você tem dois centros. Um centro com o qual você vem, que lhe é dado pela própria existência. Esse é o eu. E o outro centro, que é criado pela sociedade - o ego. Esse é algo falso -  é um grande truque. Através do ego a sociedade está controlando você. Você tem que se comportar de uma certa maneira, porque somente assim a sociedade irá apreciá-lo. Você tem que caminhar de uma certa maneira; você tem que rir de uma certa maneira; você tem que seguir determinadas condutas, uma moralidade, um código. Somente assim a sociedade o apreciará, e se ela não o fizer, o seu ego ficará abalado. E quando o ego fica abalado, você já não sabe onde está, você já não sabe quem você é.
      Os outros deram-lhe a idéia. E essa idéia é o ego. Tente entendê-lo o mais profundamente possível, porque ele tem que ser jogado fora. E a não ser que você o jogue fora, nunca será capaz de alcançar o eu. Por estar viciado no falso centro, você não pode se mover, e você não pode olhar para o eu. E lembre-se: vai haver um período intermediário, um intervalo, quando o ego estará se despedaçando, quando você não saberá quem você é, quando você não saberá para onde está indo; quando todos os limites se dissolverão. Você estará simplesmente confuso, um caos.
      Devido a esse caos, você tem medo de perder o ego. Mas tem que ser assim. Temos que passar através do caos antes de atingir o centro verdadeiro. E se você for ousado, o período será curto. Se você for medroso e novamente cair no ego, e novamente começar a ajeitá-lo, então, o período pode ser muito, muito longo; muitas vidas podem ser desperdiçadas...
      Até mesmo o fato de ser infeliz lhe dá a sensação de "eu sou". Afastando-se do que é conhecido, o medo toma conta; você começa sentir medo da escuridão e do caos - porque a sociedade conseguiu clarear uma pequena parte de seu ser... É o mesmo que penetrar numa floresta. Você faz uma pequena clareira, você limpa um pedaço de terra, você faz um cercado, você faz uma pequena cabana; você faz um pequeno jardim, um gramado, e você sente-se bem. Além de sua cerca - a floresta, a selva. Mas aqui dentro tudo está bem: você planejou tudo.
      Foi assim que aconteceu. A sociedade abriu uma pequena clareira em sua consciência. Ela limpou apenas uma pequena parte completamente, e cercou-a. Tudo está bem ali. Todas as suas universidades estão fazendo isso. Toda a cultura e todo o condicionamento visam apenas limpar uma parte, para que ali você possa se sentir em casa.
      E então você passa a sentir medo. Além da cerca existe perigo.
      Além da cerca você é, tal como você é dentro da cerca -  e sua mente consciente é apenas uma parte, um décimo de todo o seu ser. Nove décimos estão aguardando no escuro. E dentro desses nove décimos, em algum lugar, o seu centro verdadeiro está oculto.
      Precisamos ser ousados, corajosos. Precisamos dar um passo para o desconhecido.
      Por um certo tempo, todos os limite ficarão perdidos. Por um certo tempo, você vai se sentir atordoado. Por um certo tempo, você vai se sentir muito amedrontado e abalado, como se tivesse havido um terremoto.
      Mas se você for corajoso e não voltar para trás, se você não voltar a cair no ego, mas for sempre em frente, existe um centro oculto dentro de você, um centro que você tem carregado por muitas vidas. Esse centro é a sua alma, o eu.
      Uma vez que você se aproxime dele, tudo muda, tudo volta a se assentar novamente. Mas agora esse assentamento não é feito pela sociedade. Agora, tudo se torna um cosmos e não um caos, nasce uma nova ordem. Mas essa não é a ordem da sociedade - essa é a própria ordem da existência.
      É o que Buda chama de Dhamma, Lao Tzu chama de Tao, Heráclito chama de Logos. Não é feita pelo homem. É a própria ordem da existência. Então, de repente tudo volta a ficar belo, e pela primeira vez, realmente belo, porque as coisas feitas pelo homem não podem ser belas. No máximo você pode esconder a feiúra delas, isso é tudo. Você pode enfeitá-las, mas elas nunca podem ser belas...
      O ego tem uma certa qualidade: a de que ele está morto. Ele é de plástico. E é muito fácil obtê-lo, porque os outros o dão a você. Você não precisa procurar por ele; a busca não é necessária. Por isso, a menos que você se torne um buscador à procura do desconhecido, você ainda não terá se tornado um indivíduo. Você é simplesmente mais um na multidão. Você é apenas uma turba. Se você não tem um centro autêntico, como pode ser um indivíduo?
      O ego não é individual. O ego é um fenômeno social - ele é a sociedade, não é você. Mas ele lhe dá um papel na sociedade, uma posição na sociedade. E se você ficar satisfeito com ele, você perderá toda a oportunidade de encontrar o eu. E por isso você é tão infeliz. Como você pode ser feliz com uma vida de plástico? Como você pode estar em êxtase ser bem-aventurado com uma vida falsa?  E esse ego cria muitos tormentos. O ego é o inferno. Sempre que você estiver sofrendo, tente simplesmente observar e analisar, e você descobrirá que, em algum lugar, o ego é a causa do sofrimento. E o ego segue encontrando motivos para sofrer...
      E assim as pessoas se tornam dependentes, umas das outras. É uma profunda escravidão. O ego tem que ser um escravo. Ele depende dos outros. E somente uma pessoa que não tenha ego é, pela primeira vez, um mestre; ele deixa de ser um escravo.
      Tente entender isso. E comece a procurar o ego - não nos outros, isso não é da sua conta, mas em você. Toda vez que se sentir infeliz, imediatamente feche os olhos e tente descobrir de onde a infelicidade está vindo, e você sempre descobrirá que o falso centro entrou em choque com alguém.
      Você esperava algo e isso não aconteceu. Você espera algo e justamente o contrário aconteceu - seu ego fica estremecido, você fica infeliz. Simplesmente olhe, sempre que estiver infeliz, tente descobrir a razão.
      As causas não estão fora de você.
      A causa básica está dentro de você - mas você sempre olha para fora, você sempre pergunta: 'Quem está me tornando infeliz?' 'Quem está causando a minha raiva?' 'Quem está causando a minha angústia?'
      Se você olhar para fora, você não perceberá. Simplesmente feche os olhos e sempre olhe para dentro. A origem de toda a infelicidade, da raiva e da angústia, está oculta dentro de você, é o seu ego.
      E se você encontrar a origem, será fácil ir além dela. Se você puder ver que é o seu próprio ego que lhe causa problemas, você vai preferir abandoná-lo - porque ninguém é capaz de carregar a origem da infelicidade, uma vez que a tenha entendido.
      Mas lembre-se, não há necessidade de abandonar o ego. Você não o pode abandonar. E se você tentar abandoná-lo, simplesmente estará conseguindo um outro ego mais sutil, que diz: 'tornei-me humilde'...
      Todo o caminho em direção ao divino, ao supremo, tem que passar através desse território do ego. O falso tem que ser entendido como falso. A origem da miséria tem que ser entendida como a origem da miséria - então ela simplesmente desaparece. Quando você sabe que ele é o veneno, ele desaparece. Quando você sabe que ele é o fogo, ele desaparece. Quando você sabe que esse é o inferno, ele desaparece.
      E então você nunca diz: 'eu abandonei o ego'. Você simplesmente irá rir de toda essa história, dessa piada, pois você era o criador de toda essa infelicidade...
      É difícil ver o próprio ego. É muito fácil ver o ego nos outros. Mas esse não é o ponto, você não os pode ajudar.
      Tente ver o seu próprio ego. Simplesmente o observe.
      Não tenha pressa em abandoná-lo, simplesmente o observe. Quanto mais você observa, mais capaz você se torna. De repente, um dia, você simplesmente percebe que ele desapareceu. E quando ele desaparece por si mesmo, somente então ele realmente desaparece. Porque não existe outra maneira. Você não pode abandoná-lo antes do tempo. Ele cai exatamente como uma folha seca.
      Quando você tiver amadurecido através da compreensão, da consciência, e tiver sentido com totalidade que o ego é a causa de toda a sua infelicidade, um dia você simplesmente vê a folha seca caindo... e então o verdadeiro centro surge.
      E esse centro verdadeiro é a alma, o eu, o deus, a verdade, ou como quiser chamá-lo. Você pode lhe dar qualquer nome, aquele que preferir."
                                                                      OSHO, Além das Fronteiras da Mente.
Meus amigos(as) desejo a todos uma ótima Noite.
Muita Paz para todos.
Força Sempre

Flexibilidade

Observe seu estado de humor…
E perceba que quando vc está feliz, irradiando alegria, há um movimento de expansão…
Quando vc está com medo, vc se encolhe, se esconde em sua concha, porque, se sair, poderá haver algum perigo.
Mas perceba que as pessoas estão se encolhendo em todos os sentidos… No amor, nos relacionamentos, na meditação…
Se vc ficar continuamente com medo, como vivem muitas pessoas, aos poucos a elasticidade de sua energia será perdida.
Quando vc se encolhe, vc se torna uma represa estagnada, deixando de fluir, deixando de ser um rio.
Então, a cada dia vc se sentirá mais e mais morto.
Mas o medo tem um emprego natural.
Quando a casa está pegando fogo, por exemplo, vc precisa escapar.
Não tente ficar destemido nessa situação, ou será um tolo!
Deveríamos ser também capazes de nos recolher, porque existem momentos em que precisamos interromper o fluxo.
Deveríamos ser capazes de sair, entrar, sair, entrar…
E isso é flexibilidade: expansão, recolhimento, expansão, recolhimento…
É como respirar…
A pessoa muito medrosa, deprimida, não respira profundamente, porque mesmo essa expansão traz o medo.
Seu tórax se encolhe e, aos poucos, vc desenvolve uma couraça protetora.
Vc cria toda uma personalidade protegendo este estado de medo e depressão.
E é difícil sair deste estado, vc se acostuma com ele.
Assim, mude o padrão…
Tente descobrir maneiras de fazer sua energia se mover.
Algumas vezes até mesmo a raiva é boa, pelo menos ela move a sua energia.
Se vc tiver de escolher entre o medo e a raiva, escolha a raiva.
Mas não vá ao outro extremo, não permaneça com medo: medo de amar, de se relacionar, de se expor, de ser feliz, de viver.
A qualidade mais importante a ser lembrada é a flexibilidade, ou seja, a capacidade de se mover de um ponto ao outro.
Nesse momento, passe os pensamentos pelo seu corpo e observe seus pontos de tensão… Seus pontos de rigidez…
Sua juventude é proporcional à sua flexibilidade.
Observe uma pequena criança – tão delicada, meiga, sensível e flexível.
À medida que vc envelhece tudo se torna rígido, duro, inflexível.
Observe sua mente…
Mantemos os mesmos velhos padrões de pensamentos, de sentimentos.
Mas se vc permanecer flexível, poderá permanecer absolutamente jovem até o momento de sua morte.
Então, viva mais, ame mais, brinque mais…
OSHO
 Meus amigos(as) desejo a todos um ótimo Dia.
Muita Paz para todos.
Força Sempre
Claudio Pacheco

quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

Em obras. Siga pelo desvio!

Já reparou quantas vezes deixamos de tomar certas decisões fundamentais para nossas vidas ou de fazer certas escolhas que poderiam modificar completamente o cenário atual baseando-nos em ‘desculpas’?

Isto é, por medo de olhar para nós mesmos e nos questionar que caminho desejamos seguir, compreendendo que cada caminho tem seus prós e seus contras, preferimos viver acomodados na mediocridade.

Cada hora temos um novo problema, um outro obstáculo. Agora não podemos conversar sobre a relação porque o outro anda muito cansado por conta do trabalho. Será mesmo? Ou será que temos medo do que vamos ouvir ou de não conseguirmos falar tudo o que gostaríamos?

Agora não podemos iniciar uma atividade física porque não temos dinheiro. Estamos investindo na educação dos filhos. Será mesmo? Ou será que não queremos arcar com a disciplina que um novo compromisso exige de nós?

Agora não podemos rever nossas escolhas profissionais e arriscar uma nova área porque falta apenas 10 anos para a aposentadoria. Será mesmo? Ou será que temos receio de optar pelo desconhecido e enfrentar novos desafios?

E assim a vida vai passando... De repente, os filhos cresceram, o amor esfriou e perdeu o brilho, o trabalho já não realiza e a tão esperada aposentadoria serve para nos deixar ainda mais enfadonhos e vazios...

E pra não perder o costume, estes então se tornam os nossos novos problemas. “Estou velho demais pra recomeçar”. “Já passou muito tempo; é melhor deixar as coisas como estão”. “Meus netos vão precisar de mim; preciso estar aqui para cuidar deles”.

Mas e você? Cadê você? Quem é você? O que você realmente quer? O que faz o seu coração bater mais forte? Quais são seus mais íntimos desejos? Você justificou-se a vida toda com ‘desculpas’, mas quais são os verdadeiros fatos?

Muitos de nós tem passado ano após ano ‘em obras’; sempre inventando uma nova reforma, sempre quebrando e consertando os mesmos lugares dentro da gente, numa tentativa insana de acreditar que algo vai mudar. Mas nada muda! Continua sempre igual, porque não tem você, não tem seu coração, não tem sua alma.

E quando você descobre que os problemas não existiam, mas que você passou tanto tempo insistindo em inventá-los, já não sabe como voltar para o seu caminho. Perdeu-se.

Sabe o que há de bom nisso? Enfim você descobriu e agora pode se reencontrar, se reinventar, desbravar um novo caminho. Começar uma nova viagem. Fazer novos planos. Entretanto, há uma condição: que você não fique dando voltas, pegando atalhos, desvios ou retornos só para evitar o desconhecido.

Vá em frente, porque ainda que lhe restasse apenas um dia de vida, mas você percebesse que o que ainda não foi vivido está aí para ser experimentado e sentido, tudo seria novo.

Portanto, saiba que, algumas vezes, o novo é realmente assustador, mas que ter medo é humano. Deixar-se paralisar por causa dele é subestimar a sua coragem e o seu potencial.

Cuidado com as obras que tem feito desnecessariamente em seu caminho. Cuidado com as ‘desculpas’ que tem dado para fugir de si mesmo. Dedique a cada um o tempo que for de cada um, sem negligenciar sua vida em nome daquilo que nunca foi e nunca será um fato. Porque o fato é que você precisa descobrir a que veio... para que quando partir, tenha feito diferença!

Rosana Braga
 Meus amigos(as) desejo a todos uma ótima Noite.
Muita Paz para todos.
Força Sempre
Claudio Pacheco

Por que insisto com esta relação?

Tenha absoluta certeza que uma coincidência traz uma mensagem muito maior do que um acaso aleatório. Ela sempre nos leva para algo que almejamos como resposta.

O seu universo interno e externo têm uma ligação poderosa e tudo que acontece dentro de você acontece também fora. Se nesse momento, você se encontra lendo este texto pode ter certeza que há um motivo para isto.

As relações conturbadas são o início de uma frase que ouvi outro dia e que muito me alertou: somos a geração antidepressivo e antiansiedade. Estes remédios apresentam recorde de vendas.
Relações profissionais ou afetivas doentias nos levam a respostas corporais que vêm na forma de doenças.

Outro alerta importante se faz presente quando pensamos que somos dependentes de um modo de vida exaustivo. As empresas levam os profissionais a exceder seus limites como máquinas ou como computadores. Somos pagos para pensar, executar e atingir metas pré-estabelecidas que não nos trazem nenhum tipo de premiação e, sim, a garantia de seu emprego.

Por muitos anos, pertenci ao meio corporativo e entendo que metas precisam ser estabelecidas para a medição de resultados, mas metas fora de padrão só levam o ser humano a dois comportamentos: depressão e síndrome do pânico.

As relações afetivas também têm o mesmo impacto sobre todos nós. A implicância diária, a cobrança sem fim por comportamentos não correspondidos e a eterna desconfiança no comportamento do outro nos levam à exaustão e à doença.

Tanto a depressão como a síndrome do pânico têm uma dor original por trás, que foi o exato momento em que o bloqueio energético foi formado, e tal situação irá se repetir por inúmeras vezes ao longo de sua vida com um único intuito de fazer uma história diferente da que foi a causadora. Porém, isto não se concretiza, pois a dor original permanece vibrando em seu campo energético.

Por síndrome do pânico, entendemos um distúrbio de ansiedade extrema no qual ocorrem ataques repetitivos de medo intenso de que algo ruim aconteça de forma inesperada; por vezes, esses ataques súbitos parecem ataques cardíacos. Na grande maioria das pessoas, os sintomas são os seguintes: suores, calafrios ou ondas de calor; medo de morrer, dor no peito ou desconforto; taquicardia; medo de perder o controle ou de uma tragédia eminente; sensação de engasgar; sentimento de indiferença; sensação de estar fora da realidade; náuseas ou desconforto estomacal; dormência nas mãos, pés ou rosto; sensação de falta de ar ou sufocamento e tremores.
Os ataques de pânico podem alterar a rotina da casa, da empresa ou da escola.

A depressão, no sentido patológico, registra a presença de tristeza, de pessimismo, de baixa autoestima, que aparecem com frequência e podem vir ao mesmo tempo. A depressão é uma doença; há evidências claras que mostram alterações químicas no cérebro do indivíduo deprimido. Um dado alarmante diz que ao longo da vida uma em cada cinco pessoas no mundo apresentará o problema em algum momento da vida. Os sintomas incluem: sentimento de medo, insegurança, desesperança, desespero, desamparo e vazio, desinteresse, falta de motivação e apatia, humor depressivo ou irritabilidade, ansiedade e angústia; incapacidade de sentir alegria e prazer em atividades anteriormente consideradas agradáveis; falta de vontade e indecisão, ideias frequentes e desproporcionais de culpa, sensação de falta de sentido na vida, inutilidade, fracasso, a pessoa pode desejar morrer com frequência, interpretação distorcida e negativa da realidade, dificuldade de concentração e memória falha, perda ou excesso de apetite, dores ou sintomas físicos não justificados por problemas de saúde.

É imprescindível o acompanhamento médico tanto no diagnóstico como no tratamento, tanto da síndrome do pânico como na depressão, porém, isto não pode ser eterno na sua vida. A mudança dos hábitos de vida e a descoberta do bloqueio que desencadeou todo esse processo são determinantes para a sua cura.

A radiestesia pela Mesa Radiônica faz esta identificação e a eliminação de tal bloqueio original.
Muitas vezes, usamos remédios não por uma dependência química e, sim, por um condicionamento no modo de vida exaustivo que levamos.
Tenha absoluta certeza que o que acontece em sua vida hoje é consequência do modo de vida que você tem.
Os parâmetros que nos são impostos, seja no âmbito pessoal, seja no âmbito empresarial, não acompanham a mudança estrutural de nosso cérebro.
Recentemente, li uma frase que dizia: "Eu não uso drogas, a minha vida já é uma droga".
Nos acompanhamentos energéticos que faço em meu consultório sempre exijo o acompanhamento médico, para não haver nenhum tipo de interferência clínica.
Há alguns anos, atendi um rapaz que apresentava um quadro clínico diagnosticado como depressão crônica e para tanto havia uma enorme quantidade de remédios associados.

Iniciei o tratamento energético, identificando os momentos em que tal processo havia se desencadeado ou tenha sido reforçado, e por trás de cada identificação, a rejeição extrema por parte familiar se fazia frequente. Na época da sua gestação, a sua mãe o havia rejeitado, ou seja, foi uma gravidez indesejada e, portanto, ao longo de sua vida, a repetição de situações de rejeição se manifestava, o que a cada dia mais reforçava a sua falta de vontade de viver.

Alguns meses foram se passando e a melhora gradativa se fazia presente de tal forma, que me dava vontade de filmar a evolução. Pouco a pouco, seu médico foi eliminando seus remédios e hoje com uma vida diferente e realizada, ele sempre me diz: o mais importante é ficar alerta ao que me faz mal... E aí fica a minha pergunta: será que hoje você não passa por algum tipo de problema como este? Tenha certeza que a solução está ao seu alcance.

Maria Isabel Carapinha
 Meus amigos(as) desejo a todos um ótimo Dia.
Muita Paz para todos.
Força Sempre
Claudio Pacheco

terça-feira, 28 de janeiro de 2014

Respeite sua vontade e viva feliz!

Você tem poder. É isso mesmo! Todos nós temos. E quando ganhamos a consciência desse poder, as forças do Universo trabalham a nosso favor e tudo caminha extraordinariamente bem. O grande porém é que geralmente nós nos encontramos divididos: uma parte de nós caminha e a outra fica, pois os medos e as inseguranças nos detêm.

Uma coisa que nos faz perder o poder é a maldita vaidade. Vaidade é a ilusão de que eu vivo com o que é do outro. É infantilidade, dependência, falta de foco em si mesmo. Quer ver? Você já deve ter ouvido esta frase: "Se você me amar, serei feliz". É uma mentira! Ninguém sente dentro de si o amor do outro. Outro exemplo: "Quando todo mundo me aceitar, me sentirei maravilhosa". Nada disso! Só quando você se aceitar é que realmente vai se sentir plena.

Você vive com aquilo que tem - suas emoções, seus sentimentos, sua cabeça -, não com o que é do outro. É um erro passar a maior parte da vida submetido à aprovação e ao apoio do outro. A gente incorpora um personagem qualquer e sacrifica o próprio espírito. E vou mais longe: quanto mais poder você dá à fofoca, mais ela vem. Quanto mais poder você dá às críticas ou às perdas, mais elas ocorrem. Se você dá poder aos outros, com certeza está se rebaixando. Preste atenção: ninguém é menor que ninguém. Pare com isso e mude já essa situação!

Quanto mais importância e poder você der a seus objetivos, seus sentimentos e sua verdade, mais fortes eles ficarão. Respeitar-se é fundamental. Não importa se as pessoas te criticam ou te elogiam. O que importa é você para você! Reconheça que você é capaz de tudo. Sem ter a consciência do próprio poder, você fica com medo da vida, de não dar conta, de sofrer. Para se realizar, é preciso reverter esse quadro.

Então, acorde! Recupere sua lucidez espiritual e liberte-se das imposições morais. Afinal, elas só nos mantêm pequenos e submissos. Jogue fora tudo que te deixa fraca, culpada, desprezada, resistindo ao seu verdadeiro anseio de vitória. É um grande trabalho, mas se você não investir em si mesma, quem o fará? Não há ninguém maior que você! Dê apoio integral a si mesma e sinta as mudanças acontecerem na sua vida. Quando você está no seu poder, você arrasa!

Luiz Gasparetto
 Meus amigos(as) desejo a todos uma ótima Noite.
Muita Paz para todos.
Força Sempre
Claudio Pacheco

domingo, 26 de janeiro de 2014

Você sempre quer o que não pode ter?

Conhece alguém que só se interessa por quem não está disponível? E você, é do tipo que quando o outro corresponde às suas investidas, tem a sensação de que perde a graça e não quer mais? É triste, mas existem muitas pessoas que se alimentam de dificuldades e obstáculos.

Chega ao cúmulo de, algumas delas - claro que sem se darem conta - sentirem-se atraídas somente por relacionamentos proibidos ou extremamente complicados, geralmente envolvendo uma terceira pessoa - o famoso triângulo amoroso.

O interessante é que a terceira pessoa parece funcionar como um motivador, alguém que desperta a competitividade e reforça a crença de que amor tem a ver com brigas, disputas, conflitos, sofrimento e dor. Como se sentimentos de paz, tranquilidade, confiança e respeito fossem "mornos" demais para sustentar um relacionamento intenso e profundo.

Sim, é verdade que os filmes, as novelas e os romances mais atraentes são sustentados pelos conflitos e pelas dificuldades, mas esta narrativa não precisa ser a sua, esse enredo não precisa ser a sua única realidade. Pode servir para alimentar fantasias e ensinar a domar nossos "bichos". Mas não pode servir para nos convencer de que é assim que o amor tem de ser. Não tem!

O fato é que esse tipo de relação sobrevive de uma dinâmica altamente perigosa. Trata-se de uma grande e invisível armadilha que a pessoa monta para si mesma. E quando vê, lá está ela, dentro do buraco novamente. Decepcionada, frustrada e abandonada mais uma vez!

E se ao menos aprendesse com isso, fazendo a partir de então escolhas mais coerentes, tendo comportamentos menos impulsivos e compreendendo o amor como fonte de prazer e construção, aprendizado e evolução, tudo bem! Mas, não! Em geral, pessoas assim estão viciadas na adrenalina decorrente deste jeito distorcido e equivocado de amar.

Feito cachorro que corre atrás do rabo enlouquecidamente sem nunca alcançá-lo, tais pessoas vivem desesperadamente em busca de um amor que nunca conseguirão viver, a menos que ganhem consciência desse funcionamento interno e façam um trabalho de autoconhecimento para, enfim, abrir espaço para um encontro de dois que realmente se desejam, um amor de troca e criatividade.

Portanto, se você costuma se apaixonar por pessoas casadas ou, ao contrário, que não querem se comprometer de forma alguma, fique atento! E se essa "impossibilidade" faz com que você se sinta ainda mais apaixonado e disposto a fazer qualquer coisa para conseguir o que deseja, então, a arapuca, muito provavelmente, já está armada - e por você mesmo!

O exercício da conquista é uma delícia e vale a pena ser praticado - não apenas no início da relação, mas todo o tempo. Afinal, quem ama cuida e não existe "jogo ganho". Diz o sábio ditado que "quem não dá assistência, perde para a concorrência". Mas que este exercício seja pautado pelo amor-próprio e pela certeza de que o resultado da brincadeira tem de ser bem mais prazeroso do que doloroso. Bem mais de ganhos e medalhas do que perdas e migalhas.

Rosana Braga
 Meus amigos(as) desejo a todos uma ótima Noite.
Muita Paz para todos.
Força Sempre
Claudio Pacheco

Como não sermos vítimas de nossas próprias atitudes impensadas

Quem não conhece os problemas causados por ações impulsivas? Agir mesmo sabendo que não era a hora... falar mesmo sabendo que é melhor ficar quieto... são pequenas ações que podem gerar grandes problemas!

Quando seguimos nossos impulsos sem nos consultarmos, tornamo-nos reféns de nossas próprias ações. No entanto, podemos superar os padrões automáticos de comportamento. Isto é, sentir o impulso e ainda assim escolher como reagir.

O mundo pode nos pressionar, mas nós podemos nos autoliberar. Para tanto, precisamos inicialmente conhecer como funciona nossa mente diante das situações de pressão.

Inicialmente, precisamos aprender a reconhecer e nomear os sinais físicos e mentais de uma atitude impulsiva, para então podermos dominar nossas respostas. Mas não basta parar por aí. Será preciso treinar inúmeras vezes essa atitude interna de autoobservação para cultivar a confiança de que vale a pena não sermos vítimas de nossas próprias atitudes impensadas.

Diante de uma explosão emocional, contar até 10 antes de reagir pode funcionar. Pois quando estamos muito ativados, os impulsos advindos do centro emocional do cérebro (sistema límbico) são mais velozes do que aqueles que saem do centro racional, o córtex pré-frontal, capazes de controlar as emoções. Ao contar até 10, damos uma chance para nosso cérebro fazer um circuito neuronal capaz de ativar nossa racionalidade! Com o córtex pré-frontal funcionando novamente, voltamos a ter também a empatia para com os outros. Desta forma, já não queremos mais agredir, mas sim nos entender.

Não basta contermos o impulso agressivo, é preciso processá-lo. Pois senão iremos implodir e sofrer os danos desta energia não elaborada.

Refletir sobre nós mesmos não quer dizer criticarmos maciçamente nossas atitudes nem tampouco nos perdoarmos justificando nossas ações com atitudes indulgentes: "Não soube fazer diferente". Ok, podemos não ter sabido como ter feito diferente... mas, a questão é: uma vez que agora sabemos queremos de fato mudar?

Observar-se requer familiaridade consigo mesmo para poder ir além da culpa e da vergonha. Observar-se significa aceitar-se diante do desconforto ao mesmo tempo em que nos motivamos e nos esforçamos para cultivar uma nova atitude. Quando nos compromissamos com a mudança interna surge o sabor de seguirmos em frente "mais leves".

Encararmo-nos frente a frente, requer mais treino do que coragem. É um hábito que nos torna pessoas mais interessantes para nós mesmos. Quando evitamos nossas emoções ou nos criticamos continuamente, acabamos por nos tornar uma péssima companhia para nós mesmos. Não é assim mesmo? Há dias em que não aguentamos nossa própria presença, nossa própria voz.

Não basta nos autocontrolarmos se não formos capazes de nos regularmos internamente. O autocontrole só irá gerar bem-estar se desenvolvermos uma percepção interna capaz de nos autoorganizarmos tanto no nível emocional como cognitivo, isto é, no nível do entendimento.

O neurocientista Daniel Siegel, em seu livro "O Poder da Visão Mental" (Ed. BestSeller), denomina a capacidade de nos observarmos como visão mental. Para ele, este é nosso sétimo sentido, sem visão mental, nossa vida é uma vida anestesiada. Neste livro, Siegel explica de modo simples e claro como nosso cérebro funciona para mantermos atitudes mentais organizadoras como a de abertura, observação e objetividade.

Cultivamos abertura quando deixamos de lado as expectativas e recebemos as coisas como elas são, em vez de insistirmos que sejam como gostaríamos que fossem. Sem a ditadura do pensamento rígido e dos preconceitos, conseguimos ver o mundo em suas particularidades, abrindo-nos para o novo. No entanto, devido aos condicionamentos e às memórias arquivadas em experiências anteriores, em geral não nos deixamos permear pelo mundo externo. Sem tal abertura, vivenciamos a realidade externa como um prolongamento de nossa realidade interna. Isto é, o mundo será agradável ou desagradável conforme nosso humor momentâneo.

É curioso notar como temos uma chance maior de perceber o mundo mais objetivamente quando ele se torna aquém ou em excesso de acordo com nossos desejos e necessidades. Quando tudo parece chegar de acordo com nossos níveis de expectativa não paramos para pensar que o mundo não é apenas o que pensamos e sentimos sobre ele!

Segundo Daniel Siegel, a habilidade de observar é a capacidade para perceber o "eu" mesmo enquanto estamos vivenciando um evento. Ela nos coloca em um quadro de referências mais amplo e expande nossa perspectiva a cada momento. Ao reconhecer o ambiente em que nos encontramos, começamos a sair do comportamento habitual. Em outras palavras, se noto as nuancias à minha volta, tenho a chance de escolher se quero interagir com elas ou não!

Desta forma, conseguiremos adquirir objetividade: sermos capazes de pensar e sentir sem nos deixarmos levar pela força habitual destes pensamentos e emoções. Com objetividade, reconhecemos que nossos pensamentos e sentimentos como uma expressão de nosso mundo interno, mas não como uma verdade absoluta. Com objetividade, conseguimos discernir entre o que sentirmos e queremos continuar sentindo. Ao cultivarmos a aptidão de estarmos conscientes de como estamos direcionando nossa mente, ganhamos um novo espaço interior. Já não estamos mais condenados a sentir um ciúme sem controle, uma raiva que nos arrebata ou um ressentimento opressor. Saímos da paralisia interna! Podemos nos mover internamente!

Na medida em que passamos a nos perceber com abertura, observação e objetividade, ganhamos mais e mais espaço interior, que por sua vez gera a flexibilidade necessária para fazermos novas associações. Surgem novas ideias, tornamo-nos criativos. Vívidos.

Quanto mais espaço interior adquirimos, mais inteligentes emocionalmente nos tornamos. Curiosamente, quanto mais visão mental adquirimos sobre nós mesmos, mais habilidade temos para perceber os outros: pois quando conseguirmos sentir nosso estado mental, o caminho fundamental para a ressonância com outros também está aberto. Sem resistência para percebermos a nós mesmos e ao outro, algo totalmente novo pode ocorrer!

Bel Cesar
 Meus amigos(as) desejo a todos uma ótima Tarde.
Muita Paz para todos.
Força Sempre
Claudio Pacheco

Amados do Meu Coração

Permaneça disponível para o momento
...Apenas permaneça vivo e espontâneo e cheio de sentimento. Onde quer que seu girassol diga que o sol está, siga a sensação daquela forma. E nunca ouça qualquer outra consideração.

Esta é a coragem... e esta é a autenticidade. A autenticidade é um dos maiores valores na vida. Nada pode ser comparado a ela.
...A autenticidade é um verbo. Não é algo esperando por você. Você tem que ser autêntico, só então ela está lá. Você não pode descobri-la. Você tem que criá-la continuamente sendo verdadeiro. É um processo dinâmico.

Deixe isso penetrar tão profundamente em você quanto possível: que tudo o que é belo na vida é um verbo, não é um substantivo. Verdade, para ser verdadeiro a respeito, é um verbo, não é um substantivo. A linguagem é falaciosa. O amor não é um substantivo, é um verbo. O amor está no amor. É um processo.

Quando você ama, só então o amor está lá. Quando você não ama, ele desapareceu. Existe precisamente quando é dinâmico. A confiança é um verbo e não um substantivo. Quando você confia, ela está lá. Confiança significa confiança e amor significa amar. Verdade significa ser verdadeiro.

E o critério está dentro de você - e não na Bíblia, e não no Corão, não no Gita. O critério é o seu sentimento, o sentimento existencial. Então, o que quer que o sentimento diga, você se move com ele. Às vezes lhe dá uma grande insegurança. Diga ok a isso. Às vezes, leva você para uma dor profunda, diga ok a isso. Confie que onde quer que esteja lhe levando, deve ser significativo e importante para o seu crescimento.

O pensamento é muito astuto, cru, inteligente, calculista. Claro que dá ideias mais confortáveis, mais convenientes. Ele sempre considera tudo o mais, exceto o sentimento. Mas ele está morto.

Então vá lá, e seja apenas, sem idéias. Se você sentir vontade de ficar lá e ajudá-los, ajude-os. Se você sentir vontade de ir para o norte, vá para o norte. Ou pode haver uma terceira alternativa - quem sabe? Tudo o que podemos ver é muito pequeno comparado ao que realmente acontece. Ninguém sabe. A vida é imprevisível.

Permaneça disponível para o momento. Nunca decida de antemão, de modo que você nunca vai se sentir culpado. Nunca decida de antemão, e você nunca vai se sentir confuso. Nunca decida de antemão e você nunca vai sentir qualquer conflito dentro de você. Então, tudo o que você fizer, faça-o totalmente, o seu ato torna-se total. E quando um ato é total, é bonito. Quando um ato é total, dá-lhe a paz, silêncio, harmonia. Então, basta ser completamente livre de qualquer plano e ver o que acontece".

OSHO - Amados do Meu Coração.

 Meus amigos(as) desejo a todos um ótimo Dia.
Muita Paz para todos.
Força Sempre
Claudio Pacheco

O Som do Silêncio

Aprende com o silêncio a ouvir os sons interiores da sua alma, a calar-se nas discussões e assim evitar tragédias e desafetos, aprende com o silêncio a respeitar a opinião dos outros, por mais contrária que seja da sua, aprende com o silêncio a aceitar alguns fatos que você provocou, a ser humilde deixando o orgulho gritar lá fora.
Aprende com o silêncio a reparar nas coisas mais simples, valorizar o que é belo, ouvir o que faz algum sentido, evitar reclamações vazias e sem sentido, aprende com o silêncio que a solidão não é o pior castigo, existem companhias bem piores….
Aprende com o silêncio que a vida é boa, que nós só precisamos olhar para o lado certo, ouvir a música certa, ler o livro certo, que pode ser qualquer livro, desde que você o leia até o fim.
Aprende com o silêncio que tudo tem um ciclo,
como as marés que insistem em ir e voltar,
os pássaros que migram e voltam ao mesmo lugar,
como a Terra que faz a volta completa sobre o seu próprio eixo, complete a sua tarefa.
Aprende com o silêncio a respeitar a sua vida, valorizar o seu dia, enxergar em você as qualidades que possui, equilibrar os defeitos que você tem e sabe que precisa corrigir e enxergar aqueles que você ainda não descobriu .
Aprende com o silêncio a relaxar, mesmo no pior trânsito, na maior das cobranças, na briga mais acalorada, na discussão entre familiares, aprende com o silêncio a respeitar o seu “eu”, a valorizar o ser humano que você é, a respeitar o Templo que é o seu corpo, e o santuário que é a sua vida.
Aprende hoje com o silêncio, que gritar não traz respeito, que ouvir ainda é melhor que muito falar, e em respeito a você, eu me calo, me silencio, para que você possa ouvir o seu interior que quer lhe falar, desejar-lhe um dia vitorioso e confirmar que você é especial.

Paulo Roberto Gaefke
Meus amigos(as) desejo a todos um ótimo Dia.
Muita Paz para todos.
Força Sempre
Claudio Pacheco

sábado, 25 de janeiro de 2014

Crise Existencial

Existem momentos na vida em que você tem vontade de… nada!

A vida está lá fora acontecendo, você no meio da bagunça do seu refúgio e o pensamento longe… Reflexão. O seu interior tumultuado e você naquela inércia, esperando sabe-se lá o que…

O coração apertado, a alma confusa e vem aquela vontade de viver; não aquela rotina do dia-a-dia, mas emoções intensas, fazer a diferença, respirar a plenitude. Conflitos, caminhos que tomamos ao longo do tempo, escolhas. Decisões. Alguns arrependimentos. Lembranças de instantes felizes…

Recordações de insights, uma lágrima cai e o silêncio… tão cheio de significados! O brilho de um olhar, palavras eternas e a saudade preciosa. O tempo para e a música tão envolvente faz sonhar estrelas… Pequenos diamantes no céu iluminando o amor que mora no coração dos homens.

Despertar a fé. Sempre é tempo de atravessar a fronteira do lugar comum e se permitir a transparência. Deixar aflorar o talento natural e buscar a raiz do autoconhecimento. A imaginação corre leve como a brisa da primavera e a doçura invade o ar.

Acreditar em você mesmo. Buscar soluções no bom senso. Que o sucesso é uma consequência natural somente se temos a intenção de realizar mudanças positivas. Entender que nós somos cem por cento responsáveis pela nossa vida. Transformações de 180º.

Todas as experiências são válidas, o aprendizado é infinito e a força interior desperta a sensibilidade do ser humano. Visões que dias melhores virão. Criatividade em ação. Sintonia de pensamentos e as maravilhosas sincronicidades da vida.

Para que as sensações de felicidade, paz e equilíbrio sejam uma constante em todos os momentos. A mágica acontece, basta você desejar e dar o primeiro passo. Abra as janelas da alma para o amor! Siga a sua intuição…

Bons momentos: ar puro, integração homem-natureza, contraste luz e sombra, simplicidade, harmonia. A paisagem com performance de quadro. Tons terrosos, texturas mil. Minimalismo. Tons de verde e o colorido das flores trazendo equilíbrio à nossa mente. Imagem que remete ao inconsciente. O infinito à nossa espera. Energia fluindo… Essência da Vida!

Mon Liu
Meus amigos(as) desejo a todos uma ótima Noite.
Muita Paz para todos.
Força Sempre
Claudio Pacheco

O Medo da Mudança

Toda a mudança gera medo, porque toda mudança o leva ao desconhecido, a um mundo estranho.

Se nada mudar e tudo permanecer estático, você nunca terá medo algum.

Isto significa que se tudo estiver morto, você não terá medo.

Por exemplo, você está sentado e existe uma rocha ao seu lado. Não há nenhum problema: você olha para a rocha e está tudo bem. De repente, a rocha começa a se mover; você fica assustado. Vivo!

Movimento gera medo; e se tudo estiver parado, não há nenhum medo. Eis porque pessoas, com medo de cair em situações temerosas, arranjam uma vida sem mudanças. Tudo permanece na mesma e a pessoa segue uma rotina morta, completamente esquecida de que a vida é um fluxo.

Ela permanece numa ilha própria onde nada muda. A mesma sala, as mesmas fotografias, a mesma mobília, a mesma casa, os mesmos hábitos, as mesmas camas – tudo na mesma. Entre isso, no meio dessa mesmice, a pessoa sente-se à vontade.

As pessoas vivem quase que em seus túmulos.

O que chama de uma vida conveniente e confortável não é nada senão um túmulo disfarçado.

Então, quando você começa a mudar, quando começa na jornada do espaço interior, quando se torna um astronauta do espaço interior, tudo está a mudar depressa, cada momento tremendo de medo. Desse modo, mais e mais medo precisa ser enfrentado.

Deixe o medo estar lá. Pouco a pouco começará a desfrutar tanto das mudanças que estará preparado a qualquer custo.

Mudanças irão dar-lhe vitalidade. Mais vivacidade, alegria, energia.

Então você não será como um poço – fechado por todos os lados, estático.

Você se tornará como um rio correndo em direção ao desconhecido, em direção ao oceano onde desaparece.

Osho
 Meus amigos(as) desejo a todos uma ótima Tarde.
Muita Paz para todos.
Força Sempre
Claudio Pacheco

Mudança de Paradigma

Paradigma é um termo com origem no grego "parádeigma" que significa modelo, padrão.
Corresponde a algo que vai servir de modelo ou exemplo a ser seguido em determinada situação. São as normas orientadoras de um grupo que estabelecem limites e que determinam como um indivíduo deve agir dentro desses limites.

Estamos dentro desse modelo há muito tempo e para rompê-lo é necessária uma quantidade grande de energia e de determinação, mas podemos conseguir o mesmo efeito meditando. Incrível, mas existe uma maneira mais pacífica e foi provado no seguinte experimento:

Em 1983, os EUA realizaram um dos estudos mais interessantes nesse aspecto, durante o auge da guerra entre Líbano e Israel. Descobriram que nos dias em que um grupo de meditadores teve o máximo de participantes (e também no dia seguinte a eles), os níveis de conflito tiveram redução de cerca de 80%", afirmou o físico quântico John Hagelin, presidente da Universidade Central Maharishi, em Fairfield (Estado de Iowa), numa palestra realizada em 2007 para o Instituto de Ciências Noéticas. Isso se tornou um efeito estatisticamente significativo e surpreendente, porque havia apenas entre 600 e 800 pessoas meditando no meio desse conflito inteiro e da altamente estressada população circundante".

Há uma estreita relação entre meditação e equilíbrio local, comparando com várias cidades dos EUA. Nas cidades em que existe 1% da população praticando meditação, os índices de criminalidade baixaram. O fato ocorreu em 1993 quando a polícia local, junto com o FBI e mais 24 cientistas sociais e criminalistas realizaram em Washington, a experiência disponibilizando 0,17% de meditadores e pode ser concluído que durante o processo, houve uma redução de 25% da criminalidade local. E como se explica isso? "Experiências regulares do campo unificado relacionadas à técnica de meditação transcendental têm mostrado que dissolvem condições arraigadas de estresse no indivíduo, acarretando reduções marcantes em hipertensão, derrame cerebral, problemas do coração e outras doenças ligadas ao estresse", afirma Hagelin.

"Quando praticado coletivamente em grupos, esse mesmo programa tem registrado uma redução efetiva do estresse e das tensões sociais". Ele explica ainda que, segundo a física, o acesso e o estímulo ao campo unificado promovido pelos grupos de meditadores da paz criam poderosas ondas de unidade e coerência que permeiam a consciência coletiva da população. O resultado imediato disso é uma sensível redução dos índices de crimes e de violência social, além do aprimoramento de tendências positivas entre a sociedade. "Um grupo de meditação alivia o estresse social agudo e cria calma e coerência em toda a população", concluiu Hagelin.

Então, aproveitemos esse momento político e social que o país vive para iniciar uma reforma íntima e coletiva. Estamos interligados e essa energia gerada pela necessidade de mudança de realidade pode trazer benefícios imensos para o indivíduo e para a população. Os métodos de crescimento pessoal que serão usados para ajudar no processo, cada um escolhe. Associado a isso, vamos aproveitar e contribuir meditando 5 minutos diários e esvaziando a cabeça das preocupações diárias. Como fazer? Apenas sente-se, feche os olhos e relaxe o corpo prestando a atenção apenas na sua respiração. Promova a sua reforma íntima através de terapia, cura kármica, ritual de pinchas, ho´oponopono, e todas as formas de despertar da consciência e libertação de aprendizado pelo caminho da dor. Vamos romper com esse modelo matricial de sofrimento e dor.

Saber aproveitar o que estamos vivendo para crescer como pessoa e também como Nação é, certamente, a maneira mais sábia de se tornar não só uma pessoa melhor como também contribuir para um planeta melhor de se viver.

Vera Ghimel

Meus amigos(as) desejo a todos um ótimo Dia.
Muita Paz para todos.
Força Sempre
Claudio Pacheco

sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

O Inimigo Real do Amor

Em lugar do medo, viva o amor; eles são polos opostos. As pessoas geralmente acham que o amor e o ódio são opostos; isso é errado, eles não são. O amor e o ódio são a mesma energia. O amor pode se tornar ódio, o ódio pode se tornar amor; eles são conversíveis. Então eles não são opostos, são complementares.
Na realidade nós amamos e nós odiamos a mesma pessoa: o amor e ódio estão sempre juntos. A oposição real é entre o amor e o medo. Eles nunca estão juntos; se você se tornar muito apegado ao medo, o amor desaparece. O medo não pode ser convertido em amor; eles não são conversíveis.
Somente o amor torna alguém rico. O medo aleija, paralisa, e quanto mais paralisado, mais medroso você se torna; então é um círculo vicioso. O amor lhe da asas, ajuda-o a relaxar na vida, lhe dá coragem para experimentar a vida de maneiras diferentes. Permite-lhe todo o espectro da vida, é multidimensional. É o arco-íris inteiro, todas as cores da vida. Então a primeira coisa: abandone o medo e beba mais e mais amor, substitua o medo por amor.
E a segunda coisa: pense no céu, na vastidão; pense na liberdade, no infinito. Não pense em coisas pequenas, triviais. O medo sempre pensa em coisas pequenas; o amor nunca pensa em coisas pequenas. O amor está pronto para sacrificar tudo; o amor pensa somente no vasto. É uma águia no vento, a procura do desconhecido.

Osho
Meus amigos(as) desejo a todos um ótimo Dia.
Muita Paz para todos.
Força Sempre
Claudio Pacheco

quinta-feira, 23 de janeiro de 2014

Como Se Desapegar?

O desapego é a parte fundamental do processo evolutivo. De fato, sem o desapego, esse processo torna-se lento e pouco produtivo, pois que está no desprendimento a raiz para a experiência da felicidade e do amor incondicional. Sem o desapego, o sofrimento então tem total liberdade de adentrar na vida das pessoas.

O apego surge naturalmente a partir do momento em que a mente cria uma imagem e, por conseguinte, um vínculo com uma pessoa ou um objeto. E esse vínculo traz segurança para a pessoa, uma vez que está baseado numa imagem pré-estabelecida. Todavia tal criação é puramente mental e fundamentada a princípio na falta de autoconhecimento.

Deste modo, mesmo que o caro leitor agora já esteja desperto e já tenha avançado muito em seu desenvolvimento pessoal, ainda assim passou a maior parte de sua vida criando imagens a respeito de tudo, portanto criando vínculos ou pré-conceitos. Logo, no ponto em que se encontra, ainda há muito a ser revisto a respeito do mundo e das pessoas ao redor.

Quando o apego surge, temos então o sofrimento, pois que nos identificamos com tudo, positiva ou negativamente, e quando algo abala a imagem que criamos, então experimentamos o sofrimento e seus desdobramentos como ódio, tristeza, ojeriza, depressão, saudosismo, etc.

Eis então o porquê da importância de aprender a permanecer sempre no presente. Pois todas as imagens são baseadas em lembranças ou em imaginação. Quando estamos no agora, as imagens são apenas reflexos de outras linhas de percepção temporal, todavia podem ser encaradas de outra maneira, levando-nos a desconstruir todos os nossos conceitos a respeito de algo.

O estado de pura consciência consiste em acordar todas as manhãs como se fosse o primeiro dia de nossas vidas. Pois isso leva a ver e a observar as coisas sem pré-conceitos ou imagens, vendo-as como são e não como achamos que são. Esse estado de pura consciência é parecido com o que as crianças de colo experimentam; a diferença é que o nosso intelecto já está desenvolvido, assim sendo temos consciência de que temos consciência.

Portanto a criança observa o mundo de maneira desprendida, vendo tudo como algo novo e de ramificações incríveis. Tudo é novidade, portanto tudo é observado com bastante interesse. Esse estado precisa ser readquirido na fase adulta, porém devido às influências da sociedade, das religiões e dos pais, nossos egos ganham força e perdemos a simplicidade da observação.

Deste modo, o primeiro passo para o desapego é destruir todas as imagens que se cria a respeito de algo ou alguém. Logo, se você vê seu cônjuge como sua fortaleza, destrua-a agora! Veja seu companheiro como se fosse a primeira vez, sem julgamentos, sem imagens, sem pré-conceitos, sem tentar compreender de maneira intelectual a outra pessoa. Apenas observe e aproveite o momento.

Da mesma forma, não veja mais o seu filho como algo pertencente a você. Ele é livre e precisa expressar essa liberdade. E se ele já está crescido, apague todas as imagens de quando ele era criança, do contrário você continuará vinculado a uma imagem que já não mais corresponde ao que se apresenta no agora.

Na verdade, nenhuma imagem que criamos corresponde à verdade. Todas elas são apenas projeções pessoais que acabamos encarando como algo alheio a nós. É preciso que as pessoas aprendam a ver as coisas de maneira pura, sem véus e sem filtros.

Quando observamos as coisas sem a criação de imagens, não apenas o desapego surge, como também a primeira fagulha de um amor verdadeiro, mais profundo, pois começamos a ver as outras pessoas como elas são por detrás de todas as máscaras, de todos os condicionamentos, inclusive dos nossos próprios.

E essa nudez é o que realmente nos aproxima uns dos outros. É a partir dela que começamos a realmente nos tornar apenas um.

Trecho do livro "Potencialidade Pura", Marcos Keld
Meus amigos(as) desejo a todos uma ótima Noite.
Muita Paz para todos.
Força Sempre
Claudio Pacheco

O Segredo do Amor Eterno

O meu amor deve impulsionar o outro a amar-se a si mesmo.
Devemos avaliar o nosso êxito no amor não por aqueles que nos admiram pelas nossas realizações, mas por aqueles que atribuem a sua própria inteireza ao nosso amor por eles; por aqueles que viram a sua beleza refletida nos nossos olhos, que ouviram as suas virtudes através do calor da nossa voz.

Somos como espelhos uns para os outros. Ninguém sabe como é a sua aparência antes de ver o seu reflexo num espelho.
É absolutamente certo que ninguém reconhece a sua própria beleza ou percebe o sentido do seu próprio valor até que seja refletido no espelho do amor e cuidado de outro ser humano.

O sentido do próprio valor é, sem dúvida, o maior presente que podemos oferecer a alguém, a maior contribuição que podemos dar a uma vida. Só podemos oferecer este presente e dar esta contribuição através do amor.
No entanto, é essencial que o nosso amor seja libertador, não possessivo. Devemos sempre dar àqueles que amamos a liberdade de serem eles mesmos. O amor reconhece o outro como uma outra pessoa. Não deve possui-lo nem manipulá-lo como uma propriedade sua.

Cabe aqui a citação de Frederick Perls: "Não vieste ao mundo para satisfazer as minhas expectativas. E eu não vim ao mundo para satisfazer as tuas. Se nos encontrarmos, tudo será belo. Se não, nada há a fazer."

Trecho do livro "O Segredo do Amor Eterno", John Powell
Meus amigos(as) desejo a todos uma ótima Tarde.
Muita Paz para todos.
Força Sempre
Claudio Pacheco

quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

VOCÊ ENTREGOU O SEU PODER?

Quando culpamos o outro, entregamos o nosso poder, porque estamos colocando a responsabilidade pelos nossos sentimentos em outra pessoa. As pessoas em nossas vidas podem se comportar de maneiras que desencadeiem reações desconfortáveis em nós. Entretanto, elas não entraram em nossas mentes e criaram os botões que foram empurrados.

Assumir a responsabilidade pelos nossos próprios sentimentos e reações é dominar a nossa “capacidade de responder.” Em outras palavras, aprendemos a escolher conscientemente, ao invés de simplesmente reagirmos.

Não podemos falar de ressentimento sem também falarmos sobre o perdão. Perdoar alguém não significa que toleremos o seu comportamento. O ato do perdão ocorre em nossa própria mente. Ele realmente nada tem a ver com a outra pessoa. A realidade do verdadeiro perdão está em deixarmos de nos agarrarmos à dor. É simplesmente um ato de nos liberarmos da energia negativa.

O Perdão não significa permitir que as ações ou comportamentos dolorosos do outro continuem em sua vida. Algumas vezes, o perdão significa liberação. Você os perdoa e os libera. Tomar uma posição e estabelecer limites saudáveis são, muitas vezes, as coisas mais amorosas que você pode fazer – não somente para si mesmo, mas para a outra pessoa também.

Eu realmente acredito que não há erros. Quando os nossos corações estão fechados e sentimos ressentimento, raiva e tristeza, é difícil ver alguma coisa boa. No entanto, quando os nossos corações estão abertos, é como se grande parte desta negatividade desaparecesse e fôssemos capazes de liberar estes velhos pensamentos e despertarmos para a alegria. Para cada um de nós, há sempre a alegria interior. E precisamos saber que somos muito perfeitos como somos.

Não importa quanto caos possa estar acontecendo ao nosso redor, não importa quantas coisas possam estar acontecendo de errado ou não da forma como queremos, não importa o que os nossos corpos possam estar fazendo no momento – podemos amar e aceitarmos a nós mesmos. Pois a nossa verdade – a verdade do nosso ser – é que somos eternos. Sempre fomos e sempre seremos. E esta parte de nós mesmos continua para sempre. Alegre-se que assim seja. Quando nos amamos e nos aceitamos exatamente como somos, torna-se mais fácil passarmos pelos momentos difíceis. Não estamos mais lutando contra nós mesmos. Estamos nos aceitando.

Estamos nos tornando sensíveis. Estamos nos valorizando. Estamos nos confortando e tornando as coisas mais fáceis para nós mesmos.

Veja-se na frente de um espelho, olhando para os seus próprios olhos e dizendo: “Eu o amo e o aceito exatamente como você é”. E respire. Permita-se sentir o que você está sentindo. Você não tem que ser perfeito. Você já é perfeito como é: Você é você. Você é exatamente o que escolheu ser nesta existência. De todos os corpos e de todas as personalidades que estavam disponíveis, você escolheu ser quem você é – experienciar este mundo, esta vida, através do seu corpo, através de sua personalidade. Assim, ame a sua escolha, pois é parte da sua evolução espiritual.

Louise Hay
 Meus amigos(as) desejo a todos uma ótima Tarde.
Muita Paz para todos.
Força Sempre
Claudio Pacheco

terça-feira, 21 de janeiro de 2014

Cegos Guiando Cegos

Se você não parar para tentar entender a vida e a razão por detrás das coisas, sua passagem pelo mundo perde muito do seu sentido. Não me refiro a refletir sobre isso depois de ler a respeito em algum lugar ou de ouvir qualquer pessoa falar sobre o assunto. Eu falo de você sozinho, com seus próprios pensamentos, refletir sobre si e sobre a vida. Se você não fizer isso, provavelmente vai aceitar as ideias de terceiros como sua própria visão das coisas, quando o externo é que deveria complementar o que você já sente e entende por si mesmo.

Citando Lao-Tsé: "O homem correto age por uma lei interna, e não por mandamentos externos." Se você por si mesmo não conseguir enxergar o que é certo para você, outros irão lhe dizer o que enxergar e o que é considerado adequado, moral ou bom, quando tais conceitos são relativos e ninguém detém a verdade sobre os fatos. E o mundo está cheio de cegos guiando cegos. Faça do que vem de fora um ponto de referência para tentar explicar o que você está sentindo, mas não torne isso uma doutrina.

Marcos Keld e Lao-Tsé
Meus amigos(as) desejo a todos uma ótima Noite.
Muita Paz para todos.
Força Sempre
Claudio Pacheco

domingo, 19 de janeiro de 2014

A VIDA NÃO PERMITE RASCUNHO

Somos sabedores de que temos mesmo de disponível só o tempo presente. O passado já foi e o futuro ainda não chegou. É enorme, entretanto, o número de pessoas que veem no dia-a-dia apenas a repetição do dia anterior, sem nenhuma perspectiva de mudança para o dia seguinte. Nesses casos, comportam-se como "zumbis", seres que caminham de um lado para outro, sem destino algum, sem vontades, esperanças ou alguma expectativa que os impulsione para frente. Apenas repetem, repetem, repetem. Pessoas que infelizmente passam pela vida e são maltratadas por ela. Incentivadas por uma minoria "poderosa", a quem interessa seres que apenas executam sem questionar, sem reivindicar seus direitos, acabam por formar um mundo à parte.
Outra grande parte das pessoas vive o que chamam de sonho, mas na verdade apenas fantasiam o que gostariam de viver. Não encontram energias para transformar as aspirações manifestadas nesse devaneio em um sonho a ser realizado. Dão reforço às expressões: "carnaval, futebol e cachaça". Como se a vida fosse apenas isso: trabalhar a semana toda sob pressão e aguardar o fim de semana para poder, em um churrasco ou outro evento qualquer, transpirar todas as suas insatisfações, como uma válvula de escape. Como esvaziar-se para começar a encher novamente.
Já falamos que se quisermos algo, temos que buscar em nós mesmos a energia necessária. O mundo em que vivemos, as pessoas que nos cercam, quando muito podem nos estimular, nos facilitar uma parte do caminho, mas a energia para esse caminhar só poderá ser encontrada dentro de cada um. O caminho é individual. Cada pessoa faz a sua estrada. Seguir a estrada alheia é despersonalizar a própria existência. Frustrações e insatisfações permanecerão.
Acho adequado substituir o termo "conformar-se" por "aceitar". Conformar-se significa amoldar-se; identificar-se, o que não é negativo, mas tem uma conotação muito forte de "resignação"! E resignar-se significa renunciar a; abdicar de, abrir mão. Atenção! Resignar-se significa também aceitar a situação sem lutar contra, mas caminhar na direção que é possível. Precisamos nos desprender dos conceitos limitadores e explorar os que são propulsores. Uma mesma palavra pode colocar a pessoa para baixo ou para cima.
Aceitar significa ter humildade para entender que tudo pode acontecer consigo próprio. Pessoas contraem doenças contagiosas porque não acreditam que isso possa ocorrer com elas, só com os outros. Aceitar significa admitir a situação. E só após a aceitação é que se pode fazer algo para mudar. "Se fulano aceitasse que é um alcoólatra, faria o tratamento indicado".
Identificar onde está, olhar para onde se quer ir e refletir sobre o que efetivamente está-se fazendo para chegar lá pode ser o início de sua nova jornada. Busque a energia dentro de si. Lembre-se de que entusiasmo quer dizer "a Energia Divina dentro de si", portanto, não espere que venha de fora.
Se não está satisfeito com o rumo de sua vida, de seu trabalho, de sua relação afetiva, reflita. Veja o que depende de você e, então, faça. Saia da "satisfação virtual" causada pela fantasia, pelo devaneio. Pare de fazer construções hipotéticas de como seria boa sua vida. Pare de "rabiscá-la" nas nuvens que impedem a visão de seu caminho.
Você tem um sonho! Creia que ele se realizará através de seu esforço pessoal, da sua persistência, disciplina e determinação. Experimente o sabor de suas conquistas reais, por menor que elas sejam e veja como é muito mais consistente do que a volta à realidade após uma "viagem". A fadiga pelo esforço feito é extremamente gratificante. Não podemos apagar erros cometidos, mas é possível refazer de forma mais adequada. Porém, mesmo que não apagados, devemos nos lembrar de que o passado já foi, então os erros já ficaram para trás.
Não fique fazendo ensaios. Apenas viva e faça-o com a consciência de que a vida não permite rascunho. Não dá para apagar e começar de novo, mas temos, a cada dia, uma nova página para escrever. Experimente uma conquista só a cada dia, por mais que lhe pareça insignificante.

Paulo Salvio Antolini
Meus amigos(as) desejo a todos um ótimo Dia.
Muita Paz para todos.
Força Sempre
Claudio Pacheco

A Arte de Ser Diferente

Ser diferente é uma escolha feita apenas pelos fortes, que fazem tal escolha não por conveniência, mas pelo simples fato de complementarem aquilo que de mais verdadeiro têm dentro de si mesmos. E fazer isso exige força, exige uma vontade quase inabalável de buscar o sensato, conhecer o profundo e harmonizar-se por inteiro.

Ser diferente, e apreciar a própria diferença, enxergar a si mesmo do jeito que deveria ser, é se atrever a ir aonde ninguém jamais pisou: o cerne de sua percepção da realidade, tão pessoal e tão importante, que apenas sendo o que se nasceu para ser é que ela pode ser contemplada. Pois ninguém nasceu para ser igual a todo mundo, nascemos para sermos o que devemos ser, não importa o que seja.

Isso é andar contra a multidão, mas a favor da vida; isso é andar contra os hábitos comuns, mas a favor do justo; isso é pensar além do mundano, mas na medida certa. Isso é fazer valer a própria existência, pensando por si mesmo, agindo por si mesmo, superando a si mesmo, contemplando a si mesmo, sendo o melhor que puder ser, sem deixar de ser quem se é.

É preciso um coração valente, uma mente ajuizada para tanto. É preciso fazer valer-se, não seguindo o senso comum apenas porque todos estão fazendo. É encontrar aquilo que é mais sensato e compatível consigo mesmo, não importando o quanto se deva pagar por isso. Pois quando a verdade surge, para vislumbrá-la, por menor que seja o tempo em que se a contempla, qualquer esforço vale a pena.

Marcos Keld
Meus amigos(as) desejo a todos uma ótima Noite.
Muita Paz para todos.
Força Sempre
Claudio Pacheco

sábado, 18 de janeiro de 2014

SAIA DO ESPELHO E VEJA QUEM VOCÊ REALMENTE É

Milhões de pessoas estão vivendo de acordo com o espelho. Acham que o que veem no espelho é o seu rosto. Acham que é o seu nome, a sua identidade, e que isso é tudo.

Você terá de ir um pouco mais fundo. Terá de fechar os olhos. Terá de se observar interiormente. Terá de ficar silencioso. Se não chegar a um ponto de profundo silêncio interior, nunca saberá quem é.

Eu não posso lhe dizer quem você é. Não há como. Todo mundo tem de descobrir por si mesmo. Mas você existe — isso é certo. A única questão, para atingir o âmago do seu ser, é encontrar a si mesmo. E é isso que venho ensinando durante todos esses anos.

O que chamo de meditação nada mais é do que um artifício para que você descubra a si mesmo.

Não me pergunte. Não pergunte a ninguém. Tem de achar a resposta dentro de si mesmo e mergulhar muito fundo para descobri-la. E está tão perto — basta dar uma volta de 180 graus para encontrar essa resposta.

Vai ficar surpreso ao descobrir que você não é o seu nome, nem o seu rosto, nem o seu corpo, nem mesmo a sua mente.

Você é parte de toda a existência, de toda a sua beleza, grandeza, felicidade, seu imenso êxtase. Conhecer a si mesmo é o significado da consciência.

Osho
 Meus amigos(as) desejo a todos uma ótima Tarde.
Muita Paz para todos.
Força Sempre
Claudio Pacheco

DOMINE A VERGONHA E SEJA RESPEITADO

Você já reparou como a vergonha está super presente na vida da gente? Para algumas pessoas, ela é tão forte que parece um monstro, um verdadeiro obstáculo para atingir a felicidade.

Alguns a sentem em determinadas áreas e há aqueles que a vivenciam em outros planos. Geralmente, ela aparece quando você é chamada para fazer alguma coisa e começa a ter medo do próprio desempenho. Medo de fazer uma bobagem, de fazer feio, de dar um fora e ser objeto de gozação de um grupo. Enfim, medo de parecer ridícula.

O que muita gente não sabe, no entanto, é que o envergonhado tem a pretensão de ser o certinho. Ele sempre quer agir da maneira que está de acordo com o padrão e que ninguém contesta. Ou seja, é a nossa maldita vontade de ser o perfeitinho entrando em cena. Quanta ignorância!

Olha, vergonha é a doença do pretensioso, viu? E pretensioso nada mais é do que aquele sujeito que pretende ser aquilo que não é, que deseja ter determinada qualidade pra impressionar o mundo ao seu redor. Quer a aprovação, a consideração e o respeito de todos. Sabe o que isso significa? Que ele está dando muito poder às pessoas. Eu chamo isso de deslocamento de poder. Enfim, o importante não é a opinião dele e sim a dos outros. Pode parar com isso, hein!?

Se você sofre desse mal, proponho uma mudança. Assuma a pessoa que você é. Respeite-se. Coloque-se em primeiro plano. Quando a gente tem receio de dar um fora é sinal de que estamos nos vendo como uma porcaria e isso não é verdade. E outra, quem sempre quer causar uma boa impressão nos outros acaba se dando mal. Uma vez preocupado com o próprio desempenho, você se engasga, se atropela, se constrange e acaba produzindo o pior.

Por outro lado, quando se despreocupa com a sua imagem, você se sente confortável, espontânea e até criativa. E mais, algumas qualidades da sua essência vêm à tona, como o bom humor, a esperteza no sentido de ter ideias geniais e tiradas engraçadas e inteligentes. Bem aquela coisa que faz uma pessoa ser simpática, interessante e apreciável por todos.

E é muito fácil as pessoas se constrangerem. Como aquela garota que entra numa loja, veste um monte de roupas, não gosta de nenhuma, mas leva uma peça por receio de falar não e ser julgada negativamente pelo vendedor. Ou, então, aquela esposa do tipo “Amélia”. O marido machão deita e rola, e ela se submete. Quanto mais ela se deixa constranger, mais ele fica machão. Ela, por sua vez, se torna um capacho.

Ora! Quando você acredita que agradar os outros é uma maneira de conquistar alguma coisa está, na verdade, se iludindo e se negando. E a negação de si mesma leva à solidão e ao sofrimento. Os resultados são péssimos, porque, pela lei da natureza, a vida lhe trata como você se trata. Agora me diga: quantas vezes eu já disse isso a você?

Se quer realmente acabar com a sua vergonha, comprometa-se com a sua verdade. Não dê poder aos outros, não se diminua, aprenda a dizer não sem receios. No início, é difícil, mas depois vai perceber como as pessoas vão passar a admirar você. É isso mesmo! Todo mundo admira aqueles que têm coragem de ser o que são. Assuma o seu poder e a sua verdade, e conquistará não só o respeito de todos como a própria dignidade!

Luiz Gasparetto
 Meus amigos(as) desejo a todos um ótimo Dia.
Muita Paz para todos.
Força Sempre
Claudio Pacheco