quinta-feira, 21 de junho de 2012

Quem sou eu?

O que nos impede de saber quem somos é o medo de saber. Evitamos olhar para o nosso interior, rejeitamos partes de nós mesmos e usamos vários recursos para nos distanciarmos da possibilidade desse encontro.A nossa brincadeira preferida é a de "faz de conta". Assim, nos protegemos, navegando na superficialidade dos diversos papéis que interpretamos e das diversas máscaras que usamos ao longo da vida. Vivemos várias experiências afastados de nosso centro vital.

Paradoxalmente, uma pergunta que sempre fazemos é: Quem sou eu? Na verdade, como não poderia deixar de ser, a maioria das pessoas passa pela vida sem responder essa questão.

Por tudo isso, a nossa caminhada pelo planeta está baseada no tripé: quem fingimos ser,quem tememos ser e quem realmente somos. Através de "quem fingimos ser" nos escondemos de nós mesmos e do outro, estabelecendo um relacionamento falso conosco e com o mundo. Supercompensamos para que não se descubra "quem tememos ser" - o pensamento mais limitante que temos sobre nós mesmos. Uma crença destrutiva e usurpadora.

Contudo, a possibilidade de sucesso, felicidade e saúde está na descoberta de "quem realmente somos", o EU SOU, a presença divina em nós, o potencial que temos para manifestarmos o melhor de nós, que nada mais é do que o propósito de nossa alma, a nossa razão de ser no mundo.

Mas, como reconhecê-lo? Afinal potencial quer dizer alguma coisa que ainda não se manifestou,que não tem forma, que não conhecemos e que por isso temos dificuldade de ver.É alguma coisa que, por esses atributos, não se encontra no plano físico, mas no metafísico.

Os cientistas quânticos costumam usar em suas pesquisas recursos especiais para lidar com partículas muito pequenas e esquivas.Costumam observar o reflexo das mesmas em superfícies fotográficas altamente sensíveis.

Para descobrirmos alguns aspectos de nosso Eu Essencial podemos seguir o exemplo dos físicos quânticos e usar uma superfície altamente sensível e refletora de nossso verdadeiro Eu - o nosso coração. Um lugar imutável e constante, onde reside a sabedoria e cuja superfície reluzente reflete os aspectos da vida, que trazem alegria e que são inspiradores.Talvez não tenhamos tido tempo de observar, mas o nosso coração é atraído por pessoas que demonstram certas qualidades e características. Quando o nosso coração se aquece quando ficamos diante delas é porque elas estão dentro de nós. O nosso corpo só pode reagir a um estímulo, quando ele tem um receptor para esse estímulo. Assim, quando nos alegramos, nos emocionamos e apreciamos as pessoas por determinadas qualidades e características que vemos nelas é porque estas estão em nós também. Significa que somos capazes de abrigar atributos e características consideradas especiais e admiráveis. Quando as vemos nos outros, nosso coração se ilumina, quando agimos de acordo com elas experimentamos uma sensação de bem-estar, plenitude e completude. Sentimos que estamos agindo com integridade. Essas qualidades que apreciamos são os padrões mais importantes para nós e expressam quem nós somos verdadeiramente.Podemos chamá-los de nossos padrões de integridade. Através do seu reconhecimento podemos, finalmente, chegar ao nosso verdadeiro ser.

O medo gerado pela crença que somos quem tememos ser, a energia gasta para fingirmos que não somos o que pensamos ser faz-nos sentir, a maior parte do tempo, ansiedade, frustração e desânimo, sinais inequívocos de que não estamos vivendo segundo os nossos padrões de integridade, que estamos longe de expressar quem somos realmente.

A inspiração, a energia da criatividade, da realização e do sucesso provém de nossa integridade, reconhecê-la é reconhecer o nosso verdadeiro Poder Pessoal.

Você está disposto(a) a trocar o medo, a inconsciência, as mentiras e os truques do seu sabotador interno pela clareza e pelo bem-estar proporcionados pela visão de seu coração?

Vera Lucia Ferreira
Meus amigos(as) a todos um otimo Dia de muita Paz
Força Sempre
Abraços
Claudio Pacheco

Nenhum comentário:

Postar um comentário