segunda-feira, 2 de abril de 2012

Por onde anda o AMOR?

Nos caminhos do infinito procurei sempre algo que me fizesse feliz...
Encontrei a poesia, mas continuei a caminhar,
pois havia muita estrada para seguir...
Continuei caminhando e avistei uma luz muito forte,
continuei a seguir, vi que era a felicidade, quase agarrei-a,
nunca havia encontrado-a antes, disse-lhe que depois voltaria,
continuei a seguir estava à procura do amor...
Caminhei mais e mais, e encontrei a paz,
segurei-a pela mão, mas em seguida a deixei,
pois primeiro queria alcançar o meu objetivo,
que era encontrar o amor...
E eu não havia encontrado...
Incrivelmente, eu estava muito só, nos caminhos do infinito,
encontrei todos os ítens fundamentais do ser humano,
mas, não encontrei o amor...
Continuei a caminhar, caminhar, e encontrei o otimismo,
sentimento tal que eu não conhecia, mas o deixei,
ele ainda insistiu para que eu o levasse,
mas acabei o deixando...
Disse a ele que depois voltaria...
Mas primeiro precisava encontrar o amor!
Desesperadamente, continuei a seguir, seguir, pela imensa estrada da vida,
infinitamente, infinitamente...
Encontrei a amizade...
Mas a deixei, pois eu precisava encontrar o amor...
Inconscientemente, meus pensamentos estavam obscuros,
não sabia mais o que fazer...
Eu encontrara todos, menos o amor...
Subitamente, minhas lágrimas desciam pelo meu rosto,
e meu choro fazia eco nos caminhos do infinito,
e de longe, na tremenda escuridão, veio alguém...
Alguém que não sei de onde, apareceu e me perguntou:
De onde vens?
e o quê procura?
Minhas lágrimas cessaram, e eu respondi:
Caminho pela estrada da vida, estou à procura do amor...
E ele respondeu:
Passaste por toda essa estrada?
Respondi lentamente...
Sim, passei...
E ele respondeu:
Perdeste parte de sua vida, procurando amor,
onde ele estava dentro de você...
Ele estava na poesia, na felicidade, no otimismo, na paz e na amizade
Meus amigos(as) a todos uma otima  tarde  de muita Paz
Força Sempre
Abraços
Claudio Pacheco

Nenhum comentário:

Postar um comentário