quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

Queremos ser amados e não nos amamos


Viver uma verdadeira experiência amorosa é um dos maiores prazeres da vida.
Amar é sentir com a alma, mas expressar os sentimentos depende das idéias de cada um.
Condicionamos o amor às nossas necessidades neuróticas e acabamos com ele.
Vivemos uma vida tentando fazer com que os outros se responsabilizem pelas as nossas necessidades enquanto nós nos abandonamos irresponsavelmente. Queremos ser amados e não nos amamos.
Queremos ser compreendidos e não nos compreedemos, queremos o apoio dos outros e não damos o nosso à eles.
Quando nos abandonamos, queremos achar alguém que venha prencher o buraco que nós cavamos.
A insatisfaçao e o vazio interior se tranforma na busca contínua de novos relacionamentos, cujos resultados frustantes se repetirão. Cada um é o único responsavél pelas suas próprias necessidades.
Só quem se ama pode encontrar em sua vida um amor de verdade!
Zíbia Gasparetto
Meus amigos(as) desejo a todos um ótimo Dia  repleto de paz.
Abraços a todos
Claudio Pacheco

4 comentários:

  1. Para amar aos outros tem que se permitir amar primeiro. Após isso, teremos mais chances de sentir o que o outro sente, como se nós mesmos tivéssemos sentindo, e nos responsabilizarmos por aquele fardo que é nosso, mas jogamos no companheiro.

    Ótima reflexão, grande abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meu amigo Djoni vc definiu tudo em uma frase, antes de amar os outros temos q amar a gente primeiro.
      Um grande abraço
      Claudio Pacheco

      Excluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Olá, Cláudio! Descobri seu blogger hoje e passei a segui-lo. Gostaria que você também visitasse e seguisse o meu. Parece que temos algumas coisas em comum, entre elas o gosto pela escrita sobre temas simples e profundos da nossa existência. Olha aí meu endereço... Abraços!
    http://neypsicopedagogo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir