quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Você se importa com a opinião que os outros têm a seu respeito?

Você se importa com a opinião que os outros têm a seu respeito?
Se a sua resposta for não, então você é uma pessoa que sabe de si mesmo(a). Que se conhece. É auto-suficiente.
No entanto, se a opinião dos outros sobre você é decisiva, vamos pensar um pouco sobre o quanto isso pode lhe ser prejudicial.
O primeiro sintoma de alguém que está sob o jugo da opinião alheia, é a dependência de elogios.
Se ninguém disser que o seu cabelo, a sua roupa, ou outro detalhe qualquer está bem, a pessoa não se sente segura.
Se alguém lhe diz que está com aparência de doente, a pessoa se sente amolentada e logo procura um médico.
Se ouve alguém dizer que está gordo(a), desesperadamente tenta diminuir peso.
Mas se disserem que é bonito(a), inteligente, esperta, ela também acredita.
Se lhe dizem que é feio(a), a pessoa se desespera. Principalmente se não tem condições de reparar a suposta feiúra com cirurgia plástica.
Existem pessoas que ficam o tempo todo à procura de alguém que lhes diga algo que as faça se sentir segurOs(aS) , mesmo que esse alguém não os conheça bem.
Há pessoas que dependem da opinião alheia e se infelicitam na tentativa de agradar sempre.
São mulheres que aumentam ou diminuem seios, lábios, bochechas, nariz, para agradar seu pretendido. Como se isso fosse garantir o seu amor.
São homens que fazem implante de cabelo, modificam dentes, queixo, nariz, malham até à exaustão, para impressionar a sua eleita.
E, quando essas pessoas, inseguras e dependentes, não encontram ninguém que as elogie, que lhes diga o que desejam ouvir, se infelicitam e, não raro, caem em depressão.
Não se dão conta de que a opinião dos outros é superficial e leviana, pois geralmente não conhecem as pessoas das quais falam.
Para que você seja realmente feliz, aprenda a se conhecer e a se aceitar como você é.
Não acredite em tudo o que falam a seu respeito. Não se deixe impressionar com falsos elogios, nem com críticas infundadas.
Seja você. Descubra o que tem de bom em sua intimidade e valorize-se.
Ninguém melhor do que você para saber o que se passa na sua alma.
Procure estar bem com a sua consciência, sem neurose de querer agradar os outros, pois os outros nem sempre dão valor aos seus esforços.
A meditação é excelente ferramenta de auto-ajuda. Mergulhar nas profundezas da própria alma em busca de si mesmo é arte que merece atenção e dedicação.
Quando a pessoa se conhece, podem emitir dela as opiniões mais contraditórias que ela(e) não se deixa impressionar, nem iludir, pois sabe da sua realidade.
Nesses dias em que as mídias tentam criar protótipos de beleza física, e enaltecer a juventude do corpo como único bem que merece investimento, não se deixe iludir.
Você vale pelo que é, e não pelo que tem ou aparenta ser. A verdadeira beleza é a da alma. A eterna juventude é atributo do espírito imortal.
O importante mesmo, é que você se goste. Que você se respeite. Que se cuide e se sinta bem.
A opinião de alguém só deve fazer sentido e ter peso, se esse alguém estiver realmente interessado na sua felicidade e no seu bem-estar.
Nenhuma opinião que emitam sobre você, deve provocar tristeza ou alegria em demasia.
Os elogios levianos não acrescentam nada além do que você é, e as críticas negativas não tornarão você pior.
Busque o autoconhecimento e aprenda a desenvolver a auto-estima.
Mas lembre-se: seja exigente para consigo, e indulgente para com os outros.
Eis uma fórmula segura para que você encontre a autoconfiança e a segurança necessárias ao seu bem-estar efetivo.
E jamais esqueça que a verdadeira elegância é a do caráter, que procede da alma justa e nobre.
Pense nisso, e liberte-se do jugo da opinião dos outros.
Meus amigos(as) desejo a todos uma ótima Tarde de muita Paz e luz.
Abraços a todos
Claudio Pacheco

3 comentários:

  1. Oi, Cláudio! Por uma questão de educação, cresci sendo comparado com os outros, o que me fazia pensar na opinião alheia...Hoje, com a maturidade, me gosto muito e só me importa a opinião de quem me ama de verdade. Ótima postagem, um alerta! Um abraço!

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Bia eu ñ tenho filhos ainda, na minha infância posso me compara a vc,a maioria de nos cresce com essa educação de casa.
    Mas q muitos Pais ñ sabem q é na infância q começa tudo se o filho a mais gordinho ganha apelido já 1 serie, se a pessoa de um raciocínio um pouco menor q seu colega os próprios professores, tira esse aluno dessa turma e coloca numa inferior, quando tinha 8 anos tinha um menino q ñ me lembro o nome dele, só me lembro q as outras crianças o chamavam de Zé Mingal.
    Resumido se eu vier algum dia ter a honra de ser Pai , irei ensina para ele q ele a pessoa mais importante do mundo, quero q ele seja um ótimo menino ou menina, mas sem desfazer de ninguém, e quando alguém flr q meu filho(a) e estranho ou diferente das outras crianças ele ou ela saberá tb da uma boa resposta.
    Abs
    Claudio Pacheco

    ResponderExcluir